Blog da NatusVita

Proteína Vegana – Whey vegano? Saiba o que é e para que serve!

VEGAN 2

Comércio de carne bovina

Há poucos dias acompanhamos nos meios de comunicação a desarticulação de uma operação que expôs uma série de irregularidades praticadas por funcionários de frigoríficos e fiscais públicos.  A operação conhecida como “Carne fraca” trouxe à tona um esquema de corrupção e também a venda de alimentos adulterados.

Bom, vamos deixar o sensacionalismo de lado e focar na parte da “venda de alimentos adulterados”… Alimentos cárneos são produtos altamente perecíveis, todos os procedimentos que envolvem sua manipulação (abate, corte, produção, armazenamento, transporte), devem passar por rígido controle higiênico sanitário, além de padrões operacionais para justamente garantir a qualidade do produto final.

E, comer esses alimentos fora do prazo de validade, pode produção? Não! Não, pode!

“A validade do produto determina em quanto tempo o alimento deve ser consumido com segurança, ou seja, antes de causar problema de saúde ou ter seu gosto ou textura adulterados… Depois do prazo, não é mais possível garantir a integridade do alimento, mesmo que seja apenas um dia depois da data…” Fonte: Uol Notícias. Como funciona o prazo de validade dos alimentos?

Aproveitando o falatório acerca da qualidade da carne que colocamos em nossa mesa, e aos novos futuros supostos vegetarianos, (porque ouvimos muita gente dizendo que nunca mais iria comer carne), hoje vamos apresentar o VEGAN PROTEIN, da nossa linha Gold da American Pharm. Um produto de excelência que zela pela qualidade da sua matéria prima e respeita todos os procedimentos de Boas Práticas de Fabricação.

VEGAN 1

VEGAN PROTEIN da NatusVita

O que é VEGAN PROTEIN?

O VEGAN PROTEIN da American Pharm é um composto alimentar proteico produzido com uma fórmula exclusiva 100% vegetariana. Ele é a base de proteína de arroz e de ervilha, adoçado com xylitol. Cada porção do VEGAN PROTEIN oferece até 24g de proteína vegetal!

O VEGAN PROTEIN foi desenvolvido pensando em atender o público vegetariano, ou que possui alguma intolerância ou alergia à proteína animal, ou simplesmente deseja adequar a ingestão proteica, mas prefere consumir uma fonte vegetal. O VEGAN PROTEIN pode ser um aliado para quem tem dificuldade em combinar e equilibrar os alimentos e alcançar o consumo diário necessário, para o bom funcionamento do organismo.

Entenda a importância das proteínas

VEGAN 16

Atividade física

A estrutura corpórea dos seres humanos e dos animais é constituída por proteína. Elas são a base estrutural de todos os tecidos e órgãos, além de formarem neurotransmissores, hormônios, enzimas, imunoproteínas e estarem ligadas ao transporte de alguns nutrientes.

Na prática de atividades físicas, a ingestão proteica é indispensável e necessária para construção, reparação e crescimento muscular e em pequena proporção para o metabolismo energético.

Portanto, o VEGAN PROTEIN é muito utilizado entre os praticantes de atividade física, como um suporte proteico, na busca para melhorar a performance nas atividades físicas e de força.

Conhecendo cada ingrediente do VEGAN PROTEIN

VEGAN9

Arroz

A proteína do Arroz do VEGAN PROTEIN é obtida a partir de um processo enzimático que isola a proteína do grão de arroz. Ela é muito conhecida por suas propriedades hipoalergênicas únicas e por ser rica em aminoácido essencial lisina. A proteína do arroz foi reconhecida por alguns autores como altamente nutritiva e particularmente saudável para o consumo humano. As suas proteínas são constituídas de glutelinas, globulina, albumina e prolaminas. A proteína do arroz presente no VEGAN PROTEIN é de alto valor biológico, pois, possui aminoácidos essenciais, inclusive os de cadeia ramificada BCAA (Leucina, Valina e Isoleucina). Esses aminoácidos essenciais são importantes para a recuperação muscular, além de auxiliarem no aumento da massa magra, por isso, é indicada para quem pratica exercícios de força. O consumo do VEGAN PROTEIN é vantajoso, pois, suas proteínas tendem ser mais facilmente digeridas pelo trato digestivo do que as de fonte animal. A proteína de arroz é de fácil digestão, e é  naturalmente hipoalergênica tornando-se uma excelente alternativa para pessoas com estômago sensível, alérgicas à soja, ou intolerante à produtos lácteos ou cárneos.

VEGAN 6

Ervilha

A proteína da Ervilha do VEGAN PROTEIN é uma excelente alternativa proteica para quem não quer ou por alguma razão não pode consumir proteína de origem animal. A proteína da ervilha presente no VEGAN PROTEIN fornece todos os aminoácidos essenciais, que devem ser supridos por meio da alimentação. Também é naturalmente rica em aminoácidos de cadeira ramificada BCAA:  Leucina, Valina e Isoleucina e em Arginina, Lisina e Glutamina. Com excelente digestibilidade, seus nutrientes são bem absorvidos pelo organismo e aproveitados pelos músculos como fonte de energia, combatendo o catabolismo.  É um aliado importante para atletas e praticantes de exercício físico, por melhorar o desempenho físico ajudando a retardar a fadiga durante o exercício. Além disso, devido a sua composição de aminoácidos, a proteína da ervilha do VEGAN PROTEIN estimula a via metabólica de síntese de novas proteínas.

O xylitol do VEGAN PROTEIN é um açúcar reduzido, derivado da hidrogenação de xilose. Considerado um adoçante natural, ele pode ser um substituto do açúcar, pois, além de conferir sabor doce aos alimentos, seu índice glicêmico é baixo. Ele é naturalmente encontrado em frutas, legumes,vegetais e alguns tipos de cogumelos.

vegan 20

Xylitol da NatusVita

Classificado como um edulcorante nutritivo ou calórico ele possui 2,4 Kcal/g e o seu poder adoçante geralmente é considerado igual ao da sacarose. O xylitol que está presente no VEGAN PROTEIN é muito utilizado na indústria de alimentos e também muito empregado na área clínica por trazer diversos benefícios à saúde humana.

Em estudo realizado com ratos diabéticos, no qual foram submetidos há 5 semanas de suplementação de xylitol, foram observadas alterações com relação à redução do peso corporal, baixo índice de glicose e lipídios no sangue e aumento da tolerância à glicose. Outros dois estudos também com ratos, descobriram que a amostra suplementada com xylitol alcançaram menor peso e massa corporal, se comparado à outra amostra de controle.

Em tempos de “Carne fraca” que tal inserir em sua alimentação proteínas de origem vegetal?

VEGAN 4

Alusão à proteína de origem vegetal

Corre lá no site da natusVita e conheça toda linha Gold da American Pharm de suplementos proteicos e muito mais! https://www.natusvita.com.br/

Referência bibliográfica:

ARAUJO, E. S.; SOUZA, S. R.; FERNANDES, M. S. Características morfológicas e moleculares e acúmulo de proteína em grãos de variedades de arroz do Maranhão. Pesq. agropec. bras.,  Brasília ,  v. 38, n. 11, p. 1281-1288,  Nov.  2003.

BORTOLOTTO, R. P. et al . Teor de proteína e qualidade fisiológica de sementes de arroz. Bragantia,  Campinas ,  v. 67, n. 2, p. 513-520, 2008.

ESCOTT-STUMP, S.; MAHAN, L. K. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Rio de Janeiro: Elsevier, 12ª ed.2010.

ISLAM, M. S.; INDRAJIT, M. Effects of xylitol on blood glucose, glucose tolerance, serum insulin and lipid profile in a type 2 diabetes model of rats. Ann Nutr Metab. Vol. 61, n. 1, pp. 57-64. Julho de 2012.

JU, Z. Y.; HETTIARACHCHY, N. R.; RATH, N. Extraction, Denaturation and Hydrophobic Properties of Rice Flour Proteins. JFS: Food Chemistry and Toxicology. Vol. 66, n. 2, pp. 229-232. 2001.

LOURENÇO, S. et al. Electrochemical oxidation and electroanalytical determination of xylitol at a boron-doped diamond electrode. Talanta. Vol. 119, pp. 509-516. Fevereiro de 2014.

MAIA, M. C. A.; GALVAO, A. P. G. L. K.; DELLA MODESTA, R. C.; PEREIRA JUNIOR, N. Avaliação sensorial de sorvetes à base de xilitol. Ciênc. Tecnol. Aliment. Campinas, vol.28, n.1, pp.146-151. Janeiro/Março de 2008.

MUSSATTO, S. I., ROBERTO, I. C. Xilitol: edulcorante com efeitos benéficos para a saúde humana. Rev. Bras. Cienc. Farm. São Paulo, vol.38, n.4, pp.401-413. Outubro/Dezembro de 2002.

SHIH, F. F.; DAIGLE, K. W. Preparation and Characterization of Rice Protein Isolates.

Journal of the Americal Oil Chemists’ Society. U.S. Department of Agriculture, Southern Regional Research Center, New Orleans. Pp. 885-890, agosto de 2000.

SILVA, R. F.; ASCHERI, J. L. R.; PEREIRA, R. G. F. A. COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E PERFIL DE AMINOÁCIDOS DE ARROZ E PÓ DE CAFÉ. Alim. Nutr. Araraquara, vol. 18, n. 3, pp. 325-330. Julho/Setembro de 2007.

TEIXEIRA, J. P. F.; FURLANI, P. R.; AZZINI, L. E.. Teores de proteína, óleo, lisina e triptofano em grãos integrais de diversos cultivares de arroz. Bragantia,  Campinas ,  v. 35, n. 2, p. 453-459,  July  1976

VIEIRA, S. L.; METZ, M.; KESSLER, A. M. Avaliação Nutricional do Grão de Ervilha Forrageira (Pisum sativum) em Dietas para Suínos em Crescimento. R. Bras. Zootec., vol. 32, n. 6, p.1705-1712, 2003.

1 Pingbacks & Trackbacks de

Proteína Vegana – Whey vegano? Saiba o que é e para que serve!

  1. Doce motivação: Brigadeiro de Whey Protein | Blog da NatusVita
    8 de Fevereiro de 2018 às 16:43 (2 semanas ago)

    […] à hora da sobremesa, é indicado para ser consumido como um “prêmio” pós-treino. O whey protein é indicado após exercícios longos e intensos, é ideal para reconstituir os músculos. Mas […]

Responder